Cantor apresenta abordagem inédita da música que gravou em 2006 com o extinto grupo Firebug.

BNegão vive momento de transmutação. Single que o artista lança na sexta-feira, 29 de novembro, Injustiça promove simultaneamente tanto volta no tempo como nova fase na carreira de Bernardo Santos, cantor e compositor carioca projetado em escala nacional nos anos 1990 como rapper do grupo Planet Hemp.

BNegão retorna a tempo recente porque o single Injustiça apresenta regravação de música lançada em 2006 pelo próprio artista em registro feito com a já extinta banda paulista de ska Firebug. Nesta inédita abordagem de BNegão, Injustiça evolui na cadência do rocksteady, ritmo jamaicano primo-irmão do ska e do reggae.

Ao mesmo tempo, o single Injustiça abre ciclo na trajetória de BNegão porque é a primeira gravação solo do artista, cujos três últimos álbuns foram feitos e assinados com a banda Seletores de Frequência.

Cantor e banda seguem juntos no palco em shows agendados até meados de 2020, mas paralelamente o artista vai lançar série de singles aberta com Injustiça. Já a banda segue sem BNegão e passa a fazer música essencialmente instrumental, com álbum à vista para 2020.

Capa do single 'Injustiça', de BNegão — Foto: Arte de Cartunista das Cavernas
Capa do single ‘Injustiça’, de BNegão — Foto: Arte de Cartunista das Cavernas

A separação gradual parece ter sido acordada sem conflitos. Tanto que três integrantes do Seletores de Frequência – Nobru Pederneiras (baixo e slide guitar), Pedro Selector (trompete) e Robson Riva (bateria e backing vocal) – participam do single Injustiça, gravado com produção musical de BNegão e editado com capa criada pelo Cartunista das Cavernas.

Vocalista da banda Firebug, Maxado ajuda BNegão a rebobinar Injustiça, pondo nova voz no refrão. A gravação também tem o toque da guitarra de Marco Homobono (da banda carioca de ska Los Djangos) e do trombone de Bidu Cordeiro, músico habituado a tocar com o trio Os Paralamas do Sucesso.

Sintoniza lá: Injustiça é single duplo. Além da versão cantada por BNegão em tons suaves que contrastam com a acidez da letra escrita pelo rapper para a música (de autoria de Felipe Machado, Rodrigo Cerqueira, Victor Rice, Léo Cunha, Olivier Dherte e Bruno Cedola), há registro instrumental de tom psicodélico acentuado pela guitarra slide de Nobru Pederneiras.