Quando perguntado por que ele havia aceitado o convite da musicista Junelle Kunin, o líder espiritual respondeu: 'O propósito da minha vida é servir o máximo que puder'.

O líder espiritual Dalai Lama durante coletiva de imprensa em Londonderry, na Irlanda do Norte, em 11 de setembro de 2017 — Foto: Reuters/Clodagh Kilcoyne/File Photo
O líder espiritual Dalai Lama durante coletiva de imprensa em Londonderry, na Irlanda do Norte, em 11 de setembro de 2017 — Foto: Reuters/Clodagh Kilcoyne/File Photo

Dalai Lama se candidatou ao estrelato nas paradas musicais nesta segunda-feira (6), dia em que completa 85 anos, com o lançamento de um álbum de mantras e ensinamentos.

“Inner World” começa com a faixa “One Of My Favorite Prayers” e continua com o líder espiritual tibetano exilado recitando meditações e ditados com acompanhamento musical.

O disco surgiu quando a musicista Junelle Kunin, uma estudante do Dalai Lama da Nova Zelândia, entrou em contato com ele em 2015 com a ideia –e para sua surpresa, ele disse que sim.

“Eu pensei que teria que tentar convencê-lo”, afirmou ela à Reuters em uma entrevista de sua casa em Auckland.

“No momento de gravá-lo, meu Deus, eu tremia como uma folha antes de entrar lá”, disse ela.

Kunin fez as gravações iniciais na residência do Dalai Lama em Dharamsala, na Índia.

Quando chegou em casa, ela trabalhou com seu marido Abraham e outros músicos para produzir música para as faixas. “É uma honra incrível. É imenso”, disse Abraham Kunin.

Em um vídeo promocional do álbum, quando perguntado por que ele havia concordado em participar, o Dalai Lama responde: “O propósito da minha vida é servir o máximo que puder”.

O lançamento acontece cinco anos depois que Patti Smith liderou a multidão no festival britânico de Glastonbury cantando Parabéns para ele pelos 80 anos.