Rapper se reúne com irmãs franco-cubanas, com quem já lançou duas músicas, em show no palco Sunset nesta quinta-feira (3) no Rock in Rio 2019.

Quando subir ao palco Sunset do Rock in Rio 2019 ao lado das gêmeas do Ibeyi nesta quinta-feira (3), Emicida promete que o encontro será uma mistura completa de seu rap com os ritmos cubanos e batidas eletrônicas das irmãs.

Após três dias de festival, as parcerias presentes no evento podem ser divididas em duas categorias:

Se depender do brasileiro de 34 anos, o show com as franco-cubanas de 24 será do segundo tipo.

“Tenho estudado muito a discografia delas, porque creio que a gente vai conseguir desenhar um espetáculo bem emocionante”, conta Emicida em entrevista ao G1, após um breve ensaio com a dupla para acertar uma nova versão de uma antiga parceria, a música “Hacia el amor”.

“Para mim é uma honra, porque eu já era fã antes da gente ter oportunidade de trabalhar dentro de um estúdio. Agora a gente vai poder montar um espetáculo inteiro, sacou? E fico super empolgado e grato.”

Conexão Tóquio-Cuba-Brasil

Nas músicas lançadas com as gêmeas Naomi e Lisa-Kaindé Díaz, que cantam em quatro idiomas diferentes (inglês, espanhol, francês e iorubá) o rapper acaba treinando também suas habilidades de compor em outras línguas.

“Libre”, terceiro single de seu novo disco ainda inédito, “AmarElo”, tem letras em português e inglês, mas em “Hacia el amor” ele canta em espanhol.

Para ele, o desafio e fazer versos e rimas fora do português aumenta com as turnês internacionais, e é motivado pelo instinto competitivo do rap e, também, por seu mapa astral.

“Uma vez a gente foi gravar com uma banda do Japão. E eu assisto a muito anime, né, mano. Sou viciado em mangá”, diz Emicida.

“Aí escrevi um verso em japonês pra música dos caras. A Tokyo Ska Paradise Orchestra, que também são nossos parceiros. Fiquei com mó vergonha de mostrar, né. Tipo, é ousado. É confiante. Então o que acontece? Graças a Deus, eu sou leonino. Então eu cheguei lá e mesmo estando incerto e inseguro no barato eu mostrei o verso.”

Os japoneses ficaram loucos. “‘Eeeee. Eeeeei.’ Pediram para eu mudar um bagulhinho só. Eu falava tipo, sei lá, “meu parsa”, e eles mandaram colocar “Naruto” no lugar. Eles chapavam no Naruto. Então, desde essa parada, assim, isso me deixou mais corajoso para brincar com outros idiomas.”

Em maio, rapper e cantoras prometeram ainda mais novidades para a apresentação, mas não deram detalhes. O mistério acaba em um dia, quando o trio subir ao palco.

Emicida e Ibeyi — Foto: Bruno Trindade / B+CA / Divulgação
Emicida e Ibeyi — Foto: Bruno Trindade / B+CA / Divulgação