Uma das músicas é regravação do repertório de Mestre Verequete, 'Rei do carimbó'.

Gaby Amarantos andou flertando com o funk e até com o sertanejo – em mistura com o tecnobrega experimentada no single Sou + eu (2018) – para se manter em evidência nas playlists.

Já há sete anos sem apresentar um segundo álbum solo de estúdio, sucessor do promissor Treme (2012), a cantora paraense reforça os vínculos com a terra natal em single duplo que lançará em 13 de junho.

As duas músicas, Cachaça de Jambu e Ilha do Marajó (Gira a saia), já expõem nos respectivos títulos a intenção da artista de tonificar os laços com o Pará, onde nasceu em 1978 na cidade de Belém (PA).

Ambas as músicas conectam Gaby ao DJ Waldo Squash. O DJ da também paraense Gang do Eletro participa das duas gravações.

Gaby Amarantos regrava carimbó de Mestre Verequete com influência do tecnobrega — Foto: Divulgação / Estúdio Tereza e Aryanne
Gaby Amarantos regrava carimbó de Mestre Verequete com influência do tecnobrega — Foto: Divulgação / Estúdio Tereza e Aryanne

Cachaça de jambu versa sobre bebida feita com o jambu, erva recorrente na culinária do Pará. Além de Squash, Cachaça de jambu é sorvida por Gaby na presença de Marcos Maderito, outro integrante da Gang. Squash e Maderito são os compositores da música.

Ilha do Marajó (Gira a saia) é regravação de um carimbó do repertório de Mestre Verequete, nome artístico do cantor e compositor paraense Augusto Gomes Rodrigues (1916 – 2009), morto há dez anos.

A voz de Verequete, autoproclamado “Rei do carimbó”, será ouvida na gravação feita pela cantora com influência do tecnobrega nos beats eletrônicos.

As músicas serão lançadas em single duplo simultaneamente com os clipes dirigidos por Gareth Jones e Lucas Mariano com a própria Gaby Amarantos.